Blog

Round N Around Publicação/ Publication

É com grande prazer que apresentamos a publicação sobre o projeto de pesquisa Round N Around, fruto da rica colaboração entre o Het Nieuwe Instituut, a University of Applied Sciences in Amsterdam (HVA citizen data lab), a DOM Produção e a Universidade de São Paulo (Inovalab). Com o apoio de comunidades de ciclistas, pesquisadores e gestores públicos, o projeto incentiva o uso de ciclovias em São Paulo. Round N Around consistiu em um par de oficinas e uma conferência para mapear de forma colaborativa a cultura do ciclismo em São Paulo e desenvolver diferentes protótipos, desde mapas de ciclismo até aplicativos de saúde, para trabalhar em melhores condições de ciclismo para o futuro.

O que é atraente no ciclismo em São Paulo? O que poderia ser melhorado para estimular o uso da bicicleta? Como são a cultura e a experiência de ciclismo na cidade? E como o ciclismo poderia se tornar mais atraente para uma população mais ampla? Com esta publicação os participantes tentam elaborar sobre estas questões e enfrentar os desafios em questão.

Gostaríamos de agradecer aos colaboradores deste projeto, e esperamos que os resultados desta pesquisa contribuam para uma melhor infra-estrutura de ciclismo em São Paulo.

– – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – –

After a fruitful collaboration between Het Nieuwe Instituut, University of Applied Sciences in Amsterdam (HVA citizen data lab), DOM Produção and the University of São Paulo (Inovalab), we are proud to present this publication on the occasion of the research project Round N Around. With the support of biking communities, researchers and public managers, the project encourages the use of bike lanes in São Paulo. Round N Around consisted of a couple of workshops and a conference to collaboratively map the biking culture in Sao Paulo and develop different prototypes, from cycling maps to health apps, to work towards better biking conditions for the future.

 What is attractive about biking in São Paulo? What could be improved to stimulate biking? What does biking culture and the biking experience look like? And how could it be opened up and made more attractive to a wider population? With this publication the participants try to elaborate on these questions and address ongoing challenges.

 We would like to thank the contributors of this project and hope the results of this research will contribute to a better cycling infrastructure in São Paulo.

Design Lab

O Design Lab aconteceu na SPTW 2016, e durou quatro dias. Participaram do workshop um grupo heterogêneo de ciclistas, designers, ativistas e especialistas em bikeability.

The Design Lab took place at  SPTW 2016,  and lasted for four days. A diverse group participated at the workshop, such as cyclists, designers, activists and specialists in biking.

Durante o primeiro dia, Martijn de Waal fez uma apresentação do que foi discutido no primeiro workshop em setembro. Depois Loes Bogers e Martijn mostraram iniciativas desenvolvidas na Holanda para servirem de inspiração aos participantes.

During the first day, Martijn de Waal gave a presentation about what was discussed in the first workshop in September. Later Loes Bogers and Martijn showed initiatives developed in the Netherlands to serve as inspiration to the participants.

Como parte do workshop, uma conferência aberta ao público contou com a experiência de profissionais de diferentes backgrounds sobre o tema “”Táticas Urbanas e a Apropriação do Espaço Público” e trouxe questões importantes e inspiradoras para pensarmos em uma São Paulo mais ciclável, como por exemplo a história das ciclovias da cidade, e questões como “quem faz a cidade?”, ou “o que é uma cidade ciclável?”.

As part of the workshop, a conference (open to the general public) on “Urban Tactics and the Appropriation of the Public Space” with experienced professionals from different backgrounds, which brought important and inspiring questions to think of a more cycling São Paulo, such as the history of the city’s cycle paths, and reflexions such as “who makes the city?” Or “what is a cycling city?”.

Nos dias que seguiram os grupos discutiram temas que poderiam levantar para serem tratadas em seus projetos individuais com a mediação dos tutores Loes Borger, Gabriele Colombo, Guima San e Vinicius Russo. Baseados nas discussões montaram protótipos, gravaram vídeos, e fizeram entrevistas para elaboração de seus projetos.

During the following days, the groups discussed themes that they could raise to be addressed in their individual projects, with the mediation of the tutors Loes Borger, Gabriele Colombo, Guima San and Vinicius Russo. Based on the discussions, they set up prototypes, recorded videos, and did interviews to elaborate their projects.

O resultado dessas discussões foram mostrados em uma apresentação aberta ao público na Sala Crisantempo no dia 10 de novembro. Os quatro projetos desenvolvidos no Design Lab são:

The result of these discussions was shown in a presentation, open to the general public, in Sala Crisantempo on November 10th. The four projects developed in the Design Lab are:

#abraterua

Objetivo: melhorar a relação entre ciclistas e motoristas de uma forma mais leve e lúdica.

Goal: to improve the relationship between cyclists and drivers in a lighter and more playful way.

somos 6% mas não somos meia dúzia

Objetivo: campanha para aumentar o número de mulheres ciclistas. Atualmente somente 6% dos ciclistas em São Paulo são mulheres.

Goal: campaign to increase the number of women cyclists. Currently only 6% of cyclists in São Paulo are women.

Todos Ganham

Objetivo: criar diálogo entre ciclistas e não ciclistas no intuito de melhorar a experiência da cidade de São Paulo como uma cidade mais compartilhada e mais ciclável.

Goal: Create dialogue between cyclists and non-cyclists in order to improve the experience of the city of São Paulo as a more shared and more cycling city.

EmpaTraffic

Objetivo: promover empatia e respeito através de intervenções.

Goal: Promote empathy and respect through interventions.

Os resultados do Design Lab serão registrados em uma publicação que está sendo preparada no momento. The results of the Design Lab will be part of a publication that is currently being prepared.

Palestras: Táticas urbanas e apropriação do espaço público

For English see below

Palestras: Táticas  urbanas e apropriação do espaço público

Por uma São Paulo mais ciclável

data: 07/novembro   das 14h às 18h

local: EBAC, Rua Mourao Coelho, 1404  Vila Madalena – São Paulo

Inscrições gratuitas, aqui.

As redes sociais, o crescimento de dados urbanos e o surgimento da”internet das coisas” forneceram novas ferramentas para os cidadãos se organizarem em torno de questões urbanas, reivindicando seus direitos à cidade, levando a novas práticas colaborativas de citymaking.  Especialmente no Brasil, ao longo dos últimos anos, temos visto um forte movimento de grupos que passaram a se apropriar do espaço público – desde a ocupação física de praças e parques até os fóruns online de sites ativistas como Minha Sampa, Cidades para Pessoas, Outra Cidade, entre vários outros.

Um caso em questão é o movimento ciclista que  tem surgido em São Paulo  ao longo dos últimos anos. Enquanto a cidade tem investido em infra-estrutura de ciclovias, os entusiastas do ciclismo ven se organizando para fazer lobby para o fechamento de ruas aos domingos, bem como para colaborar e compartilhar informações e habilidades uns com os outros.

Na tarde do dia 7/11, palestrantes da Holanda e do Brasil vão explorar oportunidades para a organização dos cidadãos em torno de questões comuns. Na primeira sessão, os especialistas irão fornecer uma ampla gama de casos de ativação social através da mídia digital.  A segunda sessão incidirá sobre o movimento bike em São Paulo. Quais as oportunidades e desafios para o aumento do uso da bicicleta em São Paulo? Que estratégias podem ser empreendidas com sucesso? E o que podemos aprender com exemplos de movimentos ciclistas ao redor do mundo?

Parte 1

Mediação: Floor van Spaendonck

Martijn de Waal  – Urbanismo Hackeável, Tático, Responsivo, etc.

Gabriele Colombo – Simulando pesquisa de dados para ativações urbanas

Andre Leme Fleury  – IoT an smart cycling

Ricardo Correa – O que é um Plano Cicloviário?  Urbanismo mundo afora

Parte 2

Mediação: Gisela Domschke

Albert Pellegrini – A História do Ciclismo em São Paulo

Natalia Garcia – Por que pedalar em São Paulo é uma experiência revolucionária

Ana Carolina Nunes  – Mulheres Pedalando Agora

Maarten Woolthuis – Cyclespace, uma perspectiva internacional baseada em ação

Biografias

Parte 1 |

Floor van Spaendonck é Diretora de Relações Internacionais do Het Nieuwe Instituut,  uma instituição nacional que tem por missão ampliar a apreciação do público sobre o significado social da arquitetura, do design e da cultura digital, e promove o intercâmbio entre essas disciplinas na Holanda.

Martijn de Waal é pesquisador de Mídias Urbanas & Poder da Cidadania na Amsterdam University of Applied Sciences,  e autor do livro “ The City as Interface”. Em seu projeto de pesquisa atual “Cidade Hackeável”, Martijn explora as formas colaborativas de de transformação da cidade na sociedade em rede. É coordenador do projeto de pesquisa Round N Around no Citizen Data Lab,  Amsterdam University of Applied Sciences.

Gabriele Colombo  é designer e candidato a PhD em DensityDesign, um laboratório de pesquisa em Pollitecnico di Milano. Seus interesses de pesquisa incluem dados e visualização de informação, design de interface e os métodos digitais. No seu projeto de doutorado, ele explora estratégias do design para analisar a questão do conteúdo pictórico no contexto de mapeamento online.

Andre Leme Fleury  é doutor em Engenharia Industrial pela Universidade de São Paulo (2007) e University of Cambridge (2004-2005), e professor da Poli e da FAU – USP. Desenvolve pesquisas nas áreas de gestão de tecnologias e desenvolvimento de produtos, nos temas de technology roadmapping, design thinking, lean startup e serviços tecnológicos. Fleury é o coordenador do projeto de pesquisa Round N Around no Inovalab – USP.

Ricardo Correa é arquiteto e urbanista pela FAAP, é mestre em Planejamento Urbano e Regional na FAU USP, com MBA em Gestão Estratégica pela FEA USP e sócio-fundador da TcUrbes, única Empresa B certificada de planejamento urbano no Brasil, selo que certifica o impacto socioambiental.

Parte 2 |

Gisela Domschke é curadora e produtora cultural. Desde 2009 vem realizando projetos colaborativos nas áreas de cultura, design e inovação social. Possui o título de Master of Arts em Design pela Central Saint Martins College of Arts, University of London. É co-fundadora do Labmovel (Prix Ars Electronica 2013). Diretora da DOM Produção, co-organizadora do projeto Round N Around junto ao Het Nieuwe Instituut.

Albert Pellegrini é advogado, mestre em direito político e econômico,  psicanalista, foi editor da revista VO2,  é consultor de mobilidade pelo oGangorra, freelancer em matérias de ciclismo para VO2, Bicycling Brasil e GoOutside, realiza testes de bicicletas e produtos relacionados ao ciclismo, organiza treinos e eventos de ciclismo pelo Fuga Clube de Ciclismo. Começou a pedalar de forma esportiva em 1990 ao fazer seu primeiro short triathlon, vindo a introduzir a bicicleta como meio de transporte na sua vida em 2002.

Ana Carolina Nunes é ativista da mobilidade ativa em São Paulo. Formada em Jornalismo pela USP e mestranda em Políticas Públicas pela UFABC, é ativa na Cidadeapé e Ciclocidade, associações que defendem, respectivamente, os interesses de quem anda a pé e de bicicleta na capital paulista. Em setembro de 2015, coordenou com Daniel Guth a “Pesquisa sobre o Perfil de Quem Pedala em SP”, da ONG Transporte Ativo, em parceria com Ciclocidade e Observatório das Metrópoles da UFRJ. Também é conselheira do Conselho Municipal de Trânsito e Transportes e trabalha pela consolidação do programa Ruas Abertas.

Leticia Lindenberg Lemos é arquiteta urbanista pela FAU – USP. Possui especialização em Mobilidade Sustentável em Países em Desenvolvimento pela United Nations Institute for Training and Research. Pesquisa mobilidade sustentável com foco nos modos ativos, particularmente a bicicleta como meio de transporte urbano, e a regulação urbanística e políticas públicas urbanas que influem sobre esses modos. É pesquisadora do LabCidade na FAU USP e é Diretora de Pesquisa da Ciclocidade na gestão 2016-2017.

Maarten Woolthuis é apaixonado por encontrar alavancas e insights que aumentem o uso da bicicleta. Como um consultor em mudança de comportamento, Maarten lança programas que integram a bicicleta ao trabalho através do Toury – um jogo de ciclismo dentro das empresas, cidades e regiões. Como co-fundador da CycleSpace, Maarten cuida de delegações de serviços,, troca de conhecimento, programação, pesquisa, planejamento e administração, a fim de cumprir uma visão de liderança ciclista  em parceria com a cidade e a região metropolitana de Amsterdam.

ENGLISH

Urban Tactics and Appropriation of Public Space

Towards a Bikeable Sao Paulo

when: 7th November  from 2 p.m. to 6 p.m.

venue: EBAC, Rua Mourao Coelho, 1404  Vila Madalena – São Paulo

Free registration here.

Social media, the rise of urban data and the emergence of an ‘internet of things’ have provided citizens around the world with new tools to organize themselves around all kinds of urban issues, reclaiming their ‘rights to the city, leading to new collaborative practices of citymaking. Especially in Brazil over the last few years we have seen a strong movement of groups that have started to reclaim and appropriate public space, from the physical ‘occupation’ and reprogramming by citizens of the Largo da Batata to the online fora of activists congregating on website such as Minha Sampa, Cidades para Pessoas, Outra Cidade and others.

A case in point is the biking movement that over the last few years has emerged in Sao Paulo. While the city has invested in biking infrastructure such as cycle lanes, biking enthusiasts have organized themselves to lobby for the closing of roads on Sundays as well as to collaborate to share information and skills with each other.

At this half day conference speakers from The Netherlands and Brazil will explore opportunities for citizens to further organize themselves around communal issues. In the first session, experts will provide a wide range of examples for civic activation through digital media, from all around the world. The second session will focus on the Sao Paulo biking movement. What opportunities and challenges have emerged for the further propagation of biking in Sao Paulo? What strategies could be successfully applied? And what can we learn from examples coming from biking movements around the world?

Block 1

Mediation: Floor van Spaendonck

Martijn de Waal  – Hackable Tactical Responsive Etc Urbanism

Gabriele ColomboStaging data driven research for urban activation

Andre Leme Fleury  – IoT an smart cycling

Ricardo Correa – What is a cycling planning structure? Urbanism around the world

Block 2

mediation: Gisela Domschke

Albert Pellegrini – The History of Cycling in São Paulo

Leticia Lindenberg Lemos  – Cycling now, women on wheels

Natalia Garcia – Why cycling in São Paulo is a Revolutionary Experience

Maarten Woolthuis – Cyclespace, an international action based perspective

Biographies

Block 1 |

Floor van Spaendonck, Head of the Agency for Architecture, Design and Digital Culture at Het Nieuwe Instituut, Rotterdam.

Martijn de Waal is a researcher at the lectorate of Play & Civic Media at the Amsterdam University of Applied Sciences and author of the book “The City as Interface” . In his current research project The Hackable City he investigates acts of collaborative citymaking in the network society. De Waal is the research project coordinator of Round N Around at Data Citizen Lab – HvA.

Gabriele Colombo is a designer and PhD candidate at DensityDesign, a research lab of Politecnico di Milano. His research interests include data and information visualisation, interface design and digital methods. In his PhD project, he explores design strategies to analyze pictorial content in the context of issue mapping online.

Andre Leme Fleury holds a PhD in Industrial Engineering from University of São Paulo (2007) and University of Cambridge (2004-2005). He is a lecturer at Poli and FAU – USP. His research focuses in the areas of technology management and product development, technology roadmapping, design thinking, lean startup and technology services. Fleury is a cyclist and the research project coordinator of Round N Around at Inovalab – USP.

Ricardo Correa has graduated in Architecture and Urbanism at FAAP, and holds a Masters in City and Regional Planning from FAU- USP, with an MBA in Strategic Management from FEA USP. He is  founding partner of TcUrbes, only certified Company B in urban planning in Brazil, – stamp that certifies the environmental impact.

Block 2|

Gisela Domschke is a curator and cultural producer. Since 2009 she’s been developing collaborative projects in the areas of cultural, design and social innovation. She holds a MA in Design from Central Saint Martins College of Arts, University of London, and is the  co-founder of Labmovel (Prix Ars Electronica 2013).  She is the director of DOM Produção, co-organiser of Round N Around with Het Nieuwe Instituut.

Albert Pellegrini  is a lawyer, master in political rights and economic, psychoanalyst, was editor of VO2 magazine, is a mobility consultant at oGangorra, freelance on reports bout cycling for VO2, Bicycling Brasil and GoOutside , performs bicycle tests and products related to cycling, organizes training and cycling events at Fuga Clube de Ciclismo. He began cycling as sports in 1990, when he did his first short triathlon, the bicycle as a means of transport was introduced in his life in 2002.

Ana Carolina Nunes

Leticia Lindenberg Lemos is an urbanist architect from FAU – USP.  She has expertise in Sustainable Mobility in Developing Countries by the United Nations Institute for Training and Research. She researches  sustainable mobility with a focus on active modes, particularly the bicycle as a means of urban transport and the urban regulation and urban public policies that influence these modes. She is also a researcher of LabCidade at FAU – USP and is the Director of Research of Ciclocidade 2016-2017.

Maarten Woolthuis is passionate about finding key triggers and insights that lead to greater bicycle ridership. As a consultant in behavioral change, Maarten rolls out integrated Bike-to-work programs through Toury- the cycling game-within companies, cities and regions. As a co-founder of CycleSpace, Maarten  takes care of servicing delegations, knowledge exchange, programming, research, planning, and administration in order to deliver on a vision of cycling leadership as partners with the City and Metropolitan Region of Amsterdam.

logos

 

Call: Round N Around Design Lab

for English see below

Participe do RNA Design Lab, de 7 a 10 de novembro! Vamos explorar de forma colaborativa o uso de dados urbanos e mídias sociais para a promoção do uso da bicicleta em São Paulo.

Round N Around Design Lab

Os participantes Round N Around Design Lab serão convidados a pensar coletivamente em soluções no sentido de melhores condições do ciclismo. No dia 25 de setembro, foi realizado um workshop onde mapeamos os desafios e oportunidades nas rotas usadas no dia a dia. Agora, usando abordagens do design persuasivo, urbanismo tático e storytelling no espaço público, vamos desenvolver conceitos sobre as questões mapeadas para estabelecer uma cultura ciclista mais acolhedora em São Paulo.

O que os participantes vão ganhar com essa experiência

Os participantes trabalharão em pequenos grupos interdisciplinares para desenvolver idéias e protótipos que abordam os temas do design lab. Eles vão receber orientações e feedback de uma equipe de pesquisadores nacionais e internacionais. Os resultados do design lab serão apresentados publicamente no evento de encerramento e serão divulgados numa publicação bilingue sobre o projeto Round N Around, listando os participantes como coautores de capítulos. Ao término do Design Lab, os participantes receberão um certificado do Het Nieuwe Instituut da Holanda.

Quem pode se inscrever?

Nós estamos buscando designers (design visual, design inovação social, design persuasivo, design de serviço, etc.); pessoas que trabalham com dados, visualização de dados, internet das coisas; pessoas com experiência em estudos urbanos e planejamento (decisores políticos, sociólogos urbanos e geógrafos, planejadores, urbanistas, designers de táticas urbanas); e membros de comunidades de ciclistas. Os participantes podem ser profissionais que trabalhem nesta área; estudantes de nível avançado (graduandos e pós graduandos) ou pesquisadores e organizadores de programas de universidades, ONGs ou outras instituições.

Como se inscrever?

As inscrições estão encerradas.
A seleção dos participantes será feita a partir de uma análise da motivação d@ candidat@, suas habilidades e experiências, e as contribuições que pode oferecer para processo do Design Lab. O resultado da seleção será divulgado no dia 28 de outubro.
Ao longo do evento, café da manhã, almoço e chá da tarde será fornecido ao grupo.

Programa

1. Round N Around Design Lab

Um workshop prático mediado por pesquisadores do Citizen Data Lab e o Inovalab e praticantes locais. Durante o workshop de quatro dias, os participantes desenvolverão conceitos e protótipos de vários tipos que poderão promover a bikeability em São Paulo, usando como ponto de partida o roteiro para melhorar as ciclovias criado em nosso primeiro workshop em 25/09. Round N Around Design Lab é fechado a um grupo de 20 participantes. Cada participante irá receber um certificado e serão creditados como coautores de capítulos de uma publicação bilingue que será feita em meados de dezembro de 2016.

2. Urbanismo Tático e Apropriação do Espaço Público
Uma série de conferências abertas ao público sobre o tema de urbanismo tático e empoderamento do cidadão na promoção de bens públicos, com um foco na melhoria da bikeability das cidades.
3. Round N Around SPTW finalizará no dia 10 de novembro com uma apresentação do Design Lab, engajando um público geral sobre a questão da bikeability em São Paulo.

7 – 10 Novembro 2016
das 10h às 18h
EBAC, Rua Mourato Coelho, 1404
Vila Madalena – São Paulo – Brasil

Apoio

São Paulo Tech Week é um festival que celebra o DNA criativo, inovador e empreendedor da cidade de São Paulo. Entre os dias 05 e 13 de novembro, a tecnologia vai pulsar em cada esquina da cidade, atraindo gente de todo lugar para eventos dinâmicos, conectando milhares de talentos, empreendedores e investidores.

Escola Britânica de Artes Criativas (EBAC) é um centro de ensino inovador que oferece cursos de disciplinas criativas, e tem por missão o estímulo da economia criativa no Brasil. A EBAC tem parcerias com a University of Hertfordshire (Grâ-Bretanha) e o consórcio de escolas de Moscou.

Sala Crisantempo é um lugar de educação, pesquisa e apresentação de dança, teatro e música, formada por dois espaços: um estúdio de dança e um teatro multimídia modulável.

Assista o vídeo sobre essa chamada aqui.

ENGLISH

Round N Around Design Lab setup

The participants of Round N Around Design Lab will be invited to collectively think of solutions towards better biking conditions for the future. On 25th of September, we realised a workshop where we mapped the challenges and opportunities of our biking culture on our regular biking routes. Now, using approaches of persuasive design, tactical urbanism and storytelling in public space, in a Design Lab we will develop concepts to address the issues mapped for establishing a more welcoming culture for cyclists in São Paulo. 
What participants will get out of it

Participants will work in small interdisciplinary groups to develop ideas and prototypes that address the themes of the design lab. They will receive input and feedback from a team of Brazilian and international tutors. The outcomes of the design lab will be publicly presented at the closing event, and be published in an official publication documenting the Round N Around project, listing participants as chapter authors. Upon completion of the design lab, participants will receive a certificate of participation, given out by Het Nieuwe Instituut in the Netherlands.

Whom should apply?

We are looking for designers (visual design, social design, persuasive design, service design, etc); people working with data, data visualization, internet of things; people with background in urban studies & planning (policy makers, urban sociologists & geographers, planners, tactical urbanists, urban designers); and members of the biking community. Participants can be professionals working in this field; advanced level students (final year BA / MA / PhD) or researchers and programme organizers working at universities, ngo’s or other institutions. How to apply Deadline for subscription is October 24th. Selection of participants will be made based on motivation, experiences they can bring to the design lab, and complementary of skills and backgrounds in relation to other design lab participants. Participants will be notified of acceptance by October 28th.

Subscriptions are now closed. The results will be announced on 28th October.

Along the four day event, welcome coffee, lunch and afternoon tea will be provided to the group.

Programme:

1. Round N Around Design Lab (Nov 7th – Nov 10th)

A hands-on design lab led by researchers from the Citizen Data Lab and Inovalab, and facilitated by local practitioners. During the four day design lab, participants will design prototypes of various kinds that could promote the bikeability of São Paulo, from cycling maps to health apps, and from tactical urbanism interventions or public space storytelling and social media campaigns to bring out the issue of the bikeable city to both policy makers and the public at large. Starting point will be the road map for better biking developed in the first design lab. Round N Around Design Lab is closed to a group of 20 participants. Each participant will receive a certificate and will be credited as co-authors of chapters of a bilingual publication about the design process, which will be published by December 2016 / January 2017.

2. Conferences:

Urban Tactics and Appropriation of Public Space (Nov 7th) A conference open to the general public around the theme of urban tactics for citizen empowerment and the promotion of public goods, with a focus on the improvement of the ‘bikeability’ of cities.

3. Round N Around SPTW (Nov 10th) will be closed off on the 10th November with a public presentation of the results of the Design Lab, engaging a wider public with the issue of biking.

Support:

São Paulo Tech Week is a festival that celebrates the creative, innovative and entrepreneurial DNA of the city of São Paulo. From 5 to 13 November, technology will pulsate in every corner of the city, attracting people from everywhere to dynamic events, connecting thousands of talents, entrepreneurs and investors.

Escola Britânica de Artes Criativas (EBAC) is an innovative educational centre that offers courses on creative disciplines, and has the mission of stimulating the creative economy in Brazil. The EBAC has partnerships with the University of Hertfordshire (Great Britain) and the Moscow schools consortium.

Watch the video about this call here.

logos

Bikeability workshop

O primeiro encontro do workshop sobre bikeability aconteceu neste domingo 25.09 na Escola Britânica de Artes Criativas, localizada na Vila Madalena.
Martijn de Waal, coordenador de projetos do Citizen Data Lab na Universidade de Amsterdã, falou sobre a bikeability de Amsterdã e apresentou diferentes iniciativas e projetos que mostram, através de estatísticas, o impacto do uso da bicicleta no clima, saúde, trânsito e economia de uma cidade.

The first workshop about Bikeability happened last Sunday, 25th of September at Escola Britânica de Artes Criativas in Vila Madalena.
Martijn de Waal, coordinator of the research project at the Citizen Data Lab, in the University of Applied Sciences of Amsterdam, talked about bikeability in Amsterdam and presented different initiatives of projects, showing through statistics, the impact of biking on climate, health, traffic and economy of a city.

Participantes/ Participants

Entre os participantes estavam estudantes de design, economia, professores, ativistas e ciclistas engajados. Albert Pellegrini, consultor na área de mobilidade urbana do Ogangorra, mostrou algumas imagens dramáticas das condições das nossas ciclovias como vias esburacadas, postes no meio da ciclovia ou até mesmo escadas. Falou sobre a história das pedaladas e o processo da fundação da Praça do Ciclista, na Avenida Paulista. André que desenvolve o aplicativo Woole, descrito por ele como o waze da bike, mencionou como ainda o status de ter um carro ainda é parte de nossa cultura e listou alguns dos desafios enfrentados por aqueles que usam a bicicleta como um meio de transporte em São Paulo. Daniel, que hoje desenvolve o MubMaps, aplicativo que ajuda os ciclistas a pedalar na cidade, lembrou que quanto maior e melhor for a ciclovia, mais ciclistas existirão. Tina, da comunidade Bike Anjo, levantou a questão do assédio às bikers na rua, e disse que hoje se tornou necessário criar um grupo específico para tratar dessa questão entre as mulheres. Camila, também da Bike Anjo, falou da importância de se pensar nas ciclovias fora do centro, que estão na periferia e muitas vezes são esquecidas, além da questão da conexão da bike com o transporte público.

Among the participants, were students of design, economics, teachers, activists and engaged cyclists. Albert Pellegrini, consultant in urban mobility at Ogangorra, showed some dramatic pictures of the conditions of our bike paths, poles in the middle of bike paths and even stairs. He talked about the history of cycling and the foundation of the Cyclist Square, on Paulista Avenue. André, who develops an app called Woole, described by him as the waze for bikers, mentioned how the status of having a car is still part of our culture and listed some of the challenges faced by those who use the bicycle as a means of transport in São Paulo. Daniel, now developing MubMaps, an app that helps cyclists biking around the city, noted that the bigger and better the bike path is, more cyclists will exist. Tina, from the Bike Anjo community, raised the issue of harassment of woman bikers on the street, and said that today it has become necessary to create a specific group to address this issue. Camila also from Bike Anjo, spoke of the importance of thinking about bike paths outside the center area, but on the periphery, which is often forgotten, and also the issue of connection with public transport.

Biketour/ Biketour

Divididos em grupos, os participants fizeram percursos diferentes. Ao longo do trajeto clicaram imagens usando o aplicativo Snappthis, mapeando desafios e oportunidades da experiência de pedalar em São Paulo.

Divided in groups, the participants cycled in different paths. A long the way, they made some images using the app Snappthis, mapping challenges and opportunities of the experience of cycling in São Paulo.

Roteiro de desafios e oportunidades/ Challenges and opportunities

A discussão ao longo do dia, permeada por falas de participantes, saída fotográfica com o aplicativo Snappthis e atividades práticas em grupo foi muito produtiva! Ao final da tarde, 3 grupos desenvolveram idéias sobre uma das questões levantadas pelo mapeamento. Os temas desenvolvidos foram: “storytelling como tecnologia persuasiva”, “sinalização” e “transporte intermodal”.

The discussion throughout the day, with the contribution of talks by the participants, Biketour using Snappthis and practical activities in group were very productive! By the end of the day, three groups developed ideas about one of the issues raised by the mapping. The themes developed were: “storytelling as persuasive technology”, “signalization” and “intermodal transport”.

Assista o vídeo sobre o workshop aqui.

Watch the video about the workshop here.

Workshop Bikeability em São Paulo

for English see below

Chamada para Participação

quando: Domingo, 25/09, das 10h às 18h

onde: EBAC, Rua Mourato Coelho, 1404, Vila Madalena – São Paulo

Como podemos melhorar ainda mais a ‘Bikeability’ de São Paulo?

Como podemos aumentar o uso de bicicletas em São Paulo como meios alternativos para o transporte? Como podemos tornar a cidade mais acolhedora para ciclistas e bicicletas? E como podemos empregar o uso de dados urbanos e as mídias sociais para promover a bicicleta em São Paulo?

Participe deste workshop no dia 25 de Setembro! Vamos mapear de forma colaborativa a cultura de ciclistas em São Paulo e criar um plano para melhorar a experiência das ciclovias de nossa cidade.

De Copenhagem a Los Angeles, de Amsterdã a São Paulo, as condições para os ciclistas nas cidades ao redor do mundo têm melhorado consideravelmente ao longo dos últimos anos. O número de pessoas que adotam o ciclismo como uma forma de se locomover pela cidade cresce a cada ano.

Muitas dessas mudanças podem ser creditadas às próprias comunidades de ciclistas. Com as novas ferramentas, como mídias sociais e aplicativos, tornou-se mais fácil informar os cidadãos sobre as vantagens e as oportunidades que o ciclismo oferece. Além isso, governos municipais vêm promovendo a cultura do ciclismo como um bem público, contribuindo para a construção de cidades mais habitáveis, sociais e sustentáveis.

São Paulo não é nenhuma exceção. Graças à dedicação de ciclistas ativistas, e ao compromisso do governo local, a cidade tem visto o layout de inúmeras ciclovias, bem como a abertura de grandes avenidas para ciclistas aos domingos.

No entanto, este é apenas o começo!

O que é atraente sobre o ciclismo em São Paulo? O que poderia ser melhorado? Como é nossa experiência e nossa cultura ciclista? E como poderiam ser estendidas e se tornarem mais atraente para uma população mais ampla? Durante este workshop, vamos começar a responder estas perguntas. Os participantes serão envolvidos em um mapeamento coletivo da cultura do ciclismo em São Paulo.

Para responder a estas questões, os participantes serão convidados a ir coletivamente para fora e mapear a cultura ciclista em seus passeios de bicicleta regulares com o uso do aplicativo SnappThis, desenvolvido pelo Citizen Data Lab. Na volta, discutiremos os resultados e elaboraremos um roteiro no sentido de estabelecer uma cultura mais acolhedora para os ciclistas em São Paulo.

 

Programa  25 Setembro

10:00 Recepção

11:00 ‘Bikeable Cities’, as histórias de Amsterdã & São Paulo

11:40 Dados urbanos & bikeable cities

12:00 Metodologia: utilizando o SnappThis para mapear a cultura do ciclismo em São Paulo

12:15 Almoço

13:00 Mapeamento de São Paulo – os participantes saem de bike para mapear as ciclovias

16:00 Retorno

16:00 Discussão com base nos resultados de mapeamento

17:00 Soluções e Roteiro

18:00 Finalização

Requisitos

Este workshop é gratuito e aberto a todos os cidadãos. Entusiastas do ciclismo e ativistas são especialmente incentivados a participar. O mapeamento colaborativo será feito com o aplicativo SnappThis. Uma bicicleta e um smartphone (Apple ou  Android com 2G, 3G ou 4G) são necessários para participar nesta parte do workshop. Se você não tem acesso a um smartphone, é possível juntar-se com outro participante e participar no exercício de mapeamento juntos.

As palestras e discussão serão realizadas em inglês, mas a participação em português também é bem-vinda. O workshop oferece a possibilidade de mediação para ajudar as pessoas que não entendem inglês.

Inscrição

Para se inscrever, por favor preencha o seguinte formulário, clicando aqui.

Contexto

Este workshop é uma colaboração entre a USP e o Citizen Data Lab da Amsterdam University of Applied Sciences. Organizado em parceria entre o Het Nieuwe Instituut (NL) e a DOM Produção (BR), o projeto tem o apoio da EBAC e de comunidades de ciclistas de São Paulo.

Este é o primeiro de dois eventos em que os participantes vão explorar o uso de ferramentas digitais a favor da causa ciclista na cidade. O próximo evento acontecerá dentro da programação da SP Tech Week, de 08 a13 novembro de 2016, quando serão organizados uma conferência e um workshop sobre o uso de mídias digitais em estratégias de ativação social de causas públicas. Os participantes desse segundo workshop vão criar protótipos de vários tipos que possam promover a bikeability de São Paulo – de aplicativos sobre ciclovias a aplicativos de saúde – usando como ponto de partida o roteiro desenvolvido em nosso workshop anterior. A semana será finalizada com um evento aberto, envolvendo um público mais amplo, em torno da cultura do ciclismo na cidade de São Paulo.

ENGLISH

Workshop Better Biking in São Paulo

Call for Participation

Sunday September 25 10:00-18:00

EBAC, Rua Mourato Coelho, 1404, Vila Madalena

How can we further improve the ‘bikeability’ of São Paulo?

How can we increase the usage of bikes in São Paulo as alternative means for transport? And how can we make the city more welcoming to cyclists and bikes? And how can we further employ the usage of urban data and social media to promote biking in São Paulo?

Take part in this one day workshop on 25th September, from 10 a.m. until 6 p.m., to collaboratively map the biking culture in Sao Paulo and draw up a road map to work towards better biking conditions for the future.

From Copenhagen to Los Angeles, and from Amsterdam to São Paulo, over the last few years, conditions for bikers in cities around the world have improved considerately. Meanwhile citizens around the world have increasingly taken up biking as a way of getting around town.

Many of these shifts can be credited to the biking communities themselves. With new tools such as social media and apps to assemble data about biking patterns, it has become easier to campaign for more bikeable cities, and inform citizens about the advantages of and opportunities for cycling. Meanwhile, also city councils around the world have embraced the promotion of biking culture as a public good, contributing to more livable, social and sustainable cities.

São Paulo is no exception to this. Thanks to the dedication of biking activists as well as to the commitment of the local government, the city has seen the layout of numerous bike paths, as well as the opening up of major avenues for cyclists on Sundays.

Yet, this is only the beginning!

What is attractive about biking in São Paulo? What could be improved? What does biking culture and the biking experience look like? And how could it be opened up and made more attractive to a wider population? During this workshop we will start answering these questions. Participants will be engaged in a collective mapping of biking culture in São Paulo.

To address these questions, participants will be invited to collectively go out and map the biking culture on their regular biking routes with the use of the SnappThis-app, developed by the Amsterdam Citizen Data Lab. On their return they will discuss their results and draw a road map for issues to address in working towards establishing a more welcoming culture for cyclists in São Paulo. 

 

Programme 25th September, 2016

10:00 Welcome

11:00 ‘Bikeable Cities’ The stories of Amsterdam & Sao Paulo.

11:40 Urban Data & Bikeable Cities.

12:00 Methodology: Using SnappThis to map biking culture in São Paulo.

12:15 Lunch

13:00 Mapping São Paulo – participants go out and map SP

16:00 Participants return

16:00 Discussion based on results of mapping

17:00 Solutions & Roadmap

18:00 End

Requirements

This workshop is open to all citizens. Biking enthusiasts and activists are especially encouraged to take part. Participation is free. The collaborative mapping will be done with the SnappThis app. Access to a bike and an Apple or Android smartphone with 2G, 3G or 4G access to the internet is required to take part in this part of the exercise. If you don’t have access to a smartphone, it’s possible to team up with another participant and take part in the mapping exercise together.

We will use English as the main language in the lectures and discussion, but it’s ok to contribute in Portuguese.The workshop will offer the mediation in Portuguese as well.

Subscribe

To subscribe, please fill out the following form here.

Context

This workshop is a collaboration between USP and the Citizen Data Lab at the Amsterdam University of Applied Sciences and Het Nieuwe Instituut, the Dutch national institute for architecture, design and digital culture.

This workshop is the first of two events in which various participants from various backgrounds will explore the contribution of urban data and social media to the public cause of the bikeability of the city. The next round, scheduled for the 8th until 13th of November 2016, a conference and workshop will be organized to highlight successful strategies towards social activation with digital media around public causes such as biking. In the second workshop, participants will design prototypes of various kinds that could promote the bikeability of São Paulo, from cycling maps to health apps, using the road map for better biking developed in the first workshop as a starting point. This event will be closed off with a public event, engaging a wider public with the issue of biking.

Project launch

No dia 18 de junho foi lançado na Praça do Ciclista o projeto colaborativo de pesquisa entre São Paulo e Amsterdã sobre o desenvolvimento do plano cicloviário de São Paulo. O evento contou com a presença do prefeito de Amsterdã van den Laan, do Secretário Municipal de Desenvolvimento Urbano de São Paulo Fernando de Mello, e representantes das comunidades locais de ciclistas como Ciclocidade, Bike Anjos e outros. Estavam também presentes representantes das universidades envolvidas no projeto – André Leme Fleury (Poli e FAU – USP) e Daniela Kutschat (FAU – USP) e Cees Vervoorn (Amsterdam University of Applied Sciences).

On 18 June was released in Cyclist Square collaborative research project between São Paulo and Amsterdam on the development of the bicycle plan of. The event was attended by the Mayor of Amsterdam van den Laan, the Municipal Secretary of Urban Development of São Paulo Fernando de Mello and local community representatives  as Ciclocidade, Bike Angels and others. Also present were representatives of the universities involved in the project – André Leme Fleury (Poli and FAU – USP) and Daniela Kutschat (FAU – USP) and Cees Vervoorn (Amsterdam University of Applied Sciences) .

vandenLaan

“As pessoas preferem andar de bicicleta do que ficar parado no trânsito,  então é uma escolha lógica”, diz van den Laan,  prefeito de Amsterdã, no lançamento do projeto Round N Around, na Praça do Ciclista na Av Paulista. Fernando de Mello,  Secretário Municipal de Desenvolvimento Urbano, falou ao prefeito sobre o projeto “Ruas Abertas”.

” People would rather ride a bike than being stuck in traffic , so it’s a logical choice ,” says van den Laan , Mayor of Amsterdam, at the launch of Round N Around design, Cyclist Square at Avenida Paulista. Fernando de Mello , Municipal Secretary of Urban Development , told the mayor about the project ” Ruas Abertas ” .